Brasil tem mais de 29 mil golpes por mês em anúncios de emprego

Pesquisa elaborada pela OLX alerta sobre a importância de proteger dados pessoais e ficar atento a ofertas de empregos muito atrativas

Em um cenário de retração econômica e 11,3 milhões de desempregados no Brasil e com queda no poder aquisitivo da população, destaca-se também os golpes aplicados em quem procura por emprego. Levantamento de mercado realizado pela OLX, uma das maiores plataformas de compra e venda do país, aponta que foram aplicados cerca de 29 mil golpes por mês em candidatos que buscam emprego de janeiro a maio de 2022.

Com mais pessoas buscando emprego ou renda extra, os fraudadores também passam a atuar mais nesse segmento, criando vagas falsas e atraindo candidatos com o objetivo de conseguir dados, como CPF e dados bancários, e dinheiro por meio de cobrança de taxas para seleções de vagas que não existem.

As abordagens vão desde anúncios na internet, como ofertas de empregos chamativas, com altos ganhos ou poucas horas de jornada e trabalho remoto, como os enviados por SMS ou aplicativos de mensagens, muitas vezes utilizando indevidamente nomes de empresas reconhecidas para atrair às vítimas.

Pesquisa complementar realizada pela OLX, com cerca de 1500 pessoas mostrou que 46% delas haviam buscado vagas de emprego online nos últimos dois meses. No primeiro contato, 80% das pessoas já passam o número do celular, 64% o e-mail e o nome completo e 18% o número do CPF.

Com essas informações, os fraudadores continuam a conversa por outros canais, fora dos sites de anúncios de vagas, e em ambientes com menos segurança. 56% dos entrevistados indicaram que recebem retorno por aplicativos de mensagem após se candidatarem a vagas de emprego e outros 45% por e-mail. Carteira de trabalho assinada (45%), carga horária (43%), não precisar de experiência prévia (43%) e salário (39%) são os diferenciais que mais atraem os candidatos que procuram emprego.

Todo esse cenário facilita a atuação de golpistas. A necessidade de uma rápida recolocação no mercado de trabalho faz com que as pessoas fiquem menos cuidadosas ao avaliarem as ofertas de emprego e mais propensas a passar informações pessoais e a pagar supostas taxas para participarem dos processos seletivos de vagas inexistentes.

“Na grande maioria dos golpes, os fraudadores utilizam de engenharia social para atrair possíveis vítimas. Em um cenário de queda do poder aquisitivo e alto número de desempregados, as pessoas ficam mais vulneráveis e acabam caindo em golpes”, explica Beatriz Soares, diretora de Produto e Operações na OLX. “Muitas pessoas desconhecem a importância de proteger seus dados pessoais, como número de telefone, e-mail, CPF e dados bancários e acabam passando essas informações, que quando caem nas mãos dos fraudadores, podem ser utilizadas para aplicar golpes futuros, seja mandando mensagens com ofertas fraudulentas para novos golpes, ou mesmo passando por essas pessoas para abrir contas bancárias ou roubar a identidade para atrair novas vítimas”, conclui.

Ao pesquisar vagas de emprego, as pessoas devem pedir mais informações para o anunciante sobre a oportunidade antes de passar mais informações e se certificar que a vaga realmente existe, verificando no site oficial da empresa ou da agência de emprego. Deve-se ainda desconfiar de quem cobra taxas para participar de processos seletivos, essa não é uma conduta comum no mercado. Também não se deve compartilhar número do CPF e dados bancários, essas informações são solicitadas apenas após a contratação e com fins específicos.

Com o aumento do número de marketplaces, também tem se tornado comum ofertas de vagas para que a pessoa empreste ou crie uma conta em plataformas de e-commerce para a postagem de anúncios, recebendo um percentual sobre a venda. Esse golpe é ainda mais perigoso, pois os fraudadores usam da idoneidade do perfil das vítimas para burlar os sistemas de segurança dos sites e aplicar golpes em outras pessoas. Quem aceita a proposta, além de não receber a comissão, ainda há o risco de ser responsabilizada criminalmente pelos golpes aplicados pelos fraudadores.

Para evitar cair nesses golpes, é importante ficar atento e adotar alguns cuidados ao analisar ofertas online de emprego. Confira, abaixo, os principais indícios de que a divulgação da oportunidade é fraudulenta e dicas de como se proteger:

● Desconfie quando links direcionam para sites suspeitos. Se você considerar a página de origem duvidosa, sem qualquer conexão com as informações do anúncio, evite interagir com ela;

● Fique atento quando o recrutador diz que a vaga está garantida antes mesmo de participar do processo seletivo;

● Nunca pague para realizar cursos ou participar de processos seletivos se essa for uma exigência; empresas idôneas não costumam fazer esse tipo de solicitação;

● Da mesma forma, mantenha atenção com o tipo de informação requisitada no cadastro. Não revele número de documentos, dados bancários ou outros detalhes confidenciais;

● Tenha cautela se o salário e benefícios da vaga estiverem acima da média do mercado. Nesse caso, prossiga com atenção e observe se serão exigidos dados pessoais ou pagamentos;

● Sempre faça uma pesquisa sobre o anunciante da vaga e a empresa ofertante do cargo. Se necessário, entre em contato com o RH da companhia e confira se eles realmente estão com vagas abertas;

● Repare no conteúdo publicado na divulgação da vaga. Empresas respeitadas produzem materiais com português correto e informações claras;

● Se o anúncio tiver poucas informações ou parecer muito genérico, sem definir os requisitos exigidos, funções que serão executadas ou nível de experiência, pode se tratar de um golpe;

● No caso de vagas operacionais, confira a data de publicação do anúncio. Se ela tiver muitas semanas ou meses, provavelmente é falsa ou o cargo já foi preenchido;

● Tome cuidado com vagas de emprego confidenciais. Embora algumas companhias utilizem esse recurso por razões internas, elas também podem ser uma isca para roubar informações pessoais. Nesse caso, analise bem a descrição da oportunidade, assim como o link fornecido.

LEIA TAMBÉM  Pôr-do-sol visto através de espelhos quebrados

LEIA TAMBÉM  34% dos brasileiros se preocupam mais com a Lava Jato do que com o desemprego

Categorias: Cotidiano