Brasil descobre um novo Vírus nunca antes identificado
Cotidiano

Brasil descobre um novo Vírus sem genes nunca antes identificado

novo virus brasileiro - Brasil descobre um novo Vírus sem genes nunca antes identificado
Gostou? Compartilhe nas Redes Sociais

A notícia já saiu na Sicence Alert, retirado no Biorxiv e esta sendo replicada por vário sites de notícias internacionais.

Cientistas descobrem vírus misteriosos no Brasil sem genes conhecidos que possam identificar

 
Por Peter Docrill – Sicence Alert
Traduzido por Mídia Interessante
 

Os cientistas identificaram um vírus enigmático cujo genoma parece ser quase inteiramente novo para a ciência, povoado por genes desconhecidos que nunca foram documentados em pesquisas virais. O chamado Yaravirus, em homenagem a Yara – ou Iara, uma figura rainha das águas na mitologia brasileira – foi recuperado do Lago Pampulha, um lago artificial na cidade brasileira de Belo Horizonte.

Embora o Yaravírus ( Yaravirus brasiliensis ) possa não ser uma sirene sobrenatural, o vírus pode ser tão misterioso quanto a ninfa da água da lenda.

Isso ocorre porque o vírus constitui “uma nova linhagem de vírus amebal com origem e filogenia intrigantes”, explica a equipe de pesquisa em um novo artigo pré-impresso sobre a descoberta.

Dois dos membros seniores dessa equipe – os virologistas Bernard La Scola, da Universidade Aix-Marselha, na França, e Jônatas S. Abrahão, da Universidade Federal de Minas Gerais – devem saber do que estão falando.

Dois anos atrás, o casal ajudou a descobrir outra novidade viral que habita a água: o Tupanvírus , um vírus gigante encontrado em habitats aquáticos extremos.

Os vírus gigantes , em oposição à variedade comum, são chamados por causa de seus enormes capsídeos (invólucros de proteínas que encapsulam virions – partículas de vírus).

Essas formas virais muito maiores só foram descobertas neste século , mas não são apenas notáveis ​​por seu tamanho. Eles também possuem genomas mais complexos, dando a eles a capacidade de sintetizar proteínas e, portanto, executar coisas como reparo do DNA, além de replicação, transcrição e tradução do DNA.

 

Células do Mollivirus sibericum, um vírus que foi enterrado nas profundezas do permafrost da Sibéria por mais de ...

Pensa-se que as células do Mollivirus sibericum, um vírus que foi enterrado nas profundezas do permafrost da Sibéria por mais de 30.000 anos, seja o mais novo representante do que é conhecido como “vírus gigante”.
Igs / Cnrs / Amu, IGS / CNRS / AFP / Arquivo

 

Leia matéria completa no site da Science Alert

 

LEIA TAMBÉM  Desde 2010 assistir Copa do Mundo pelo Youtube é improvável
LEIA TAMBÉM  O Mundo de Beakman programa de humor que tratou a Ciência a sério