NASA encontra um lugar que deveria ser lindo em um passado de Marte
Curiosidades Universo

NASA encontra um lugar que deveria ser lindo em um passado de Marte

lugar lindo - NASA encontra um lugar que deveria ser lindo em um passado de Marte
Gostou? Compartilhe nas Redes Sociais

O Rover Curiosity NASA encontrou um antigo Oásis que deveria ser incrivelmente lindo em Marte Em geografia, um oásis é uma área isolada de vegetação em um deserto, tipicamente vizinho a uma nascente de água doce.

Sobre o Curiosity

Curiosity é um astromóvel do tamanho aproximado de um carro médio destinado a explorar a superfície de Marte como parte da missão Mars Science Laboratory. Conforme estabelecido pelo Programa de Exploração de Marte, os principais objetivos científicos da missão MSL são ajudar a determinar se Marte poderia ter apoiado a vida, bem como avaliar o papel da água e estudar o clima e a geologia de Marte.

Visão em corte do Curiosity com seus instrumentos.

Visão em corte do Curiosity com seus instrumentos

 

A missão contendo o Rover Curiosity teve início com o lançamento, efetuado em 26 de novembro de 2011 a partir da Estação da Força Aérea de Cabo Canaveral, tendo pousado com sucesso em Marte, mais precisamente em Aeolis Palus na cratera Gale em 6 de agosto de 2012. Esse ponto de pouso, batizado de Bradbury Landing estava a apenas 1,5 milhas (2,4 quilômetros) do ponto de pouso originalmente previsto, depois de uma jornada de 350 000 000 milhas (560 000 000 quilômetros).

Release da NASA

Se você pudesse voltar no tempo 3,5 bilhões de anos, como seria Marte? A imagem está evoluindo entre os cientistas que trabalham com o Rover Curiosity da NASA

Fonte original: NASA
Traduzido por Mídia Interessante

Imagine lagoas que pontilham o chão da Cratera Gale, a bacia antiga de 150 quilômetros de largura (150 quilômetros de largura) que o Curiosity está explorando. Riachos poderiam ter atado as paredes da cratera, correndo em direção à sua base. Assista o histórico rapidamente, e você verá essas hidrovias transbordando e depois secando, um ciclo que provavelmente se repetiu várias vezes ao longo de milhões de anos.

foto de marte oasis - NASA encontra um lugar que deveria ser lindo em um passado de Marte

Essa é a paisagem descrita pelos cientistas da Curiosity em um artigo da Nature Geoscience publicado hoje. Os autores interpretam as rochas enriquecidas em sais minerais descobertos pelo veículo espacial como evidência de lagoas rasas e salgadas que passaram por episódios de transbordamento e secagem. Os depósitos servem como uma marca d’água criada pelas flutuações climáticas, à medida que o ambiente marciano passa de um mais úmido para o deserto gelado de hoje.

Os cientistas gostariam de entender quanto tempo essa transição levou e quando exatamente ocorreu. Essa pista mais recente pode ser um sinal de descobertas futuras, à medida que o Curiosity se aproxima de uma região chamada “unidade portadora de sulfato”, que se espera ter se formado em um ambiente ainda mais seco. Representa uma diferença gritante da parte inferior da montanha, onde o Curiosity descobriu evidências de persistentes lagos de água doce .

Gale Crater é o remanescente antigo de um enorme impacto. Os sedimentos transportados pela água e pelo vento acabaram preenchendo o chão da cratera, camada por camada. Depois que o sedimento endureceu, o vento esculpiu a rocha em camadas no imponente Monte Sharp, que o Curiosity está escalando hoje. Agora expostos nas encostas das montanhas, cada camada revela uma era diferente da história marciana e contém pistas sobre o ambiente predominante na época.

“Fomos à Gale Crater porque ela preserva esse registro único de Marte em mudança”, disse o principal autor William Rapin, da Caltech. “Entender quando e como o clima do planeta começou a evoluir é uma peça de outro quebra-cabeça: quando e por quanto tempo Marte foi capaz de suportar a vida microbiana na superfície?”

Ele e seus co-autores descrevem os sais encontrados em uma seção de rochas sedimentares de 150 pés de altura (150 metros de altura) chamada “Sutton Island”, que o Curiosity visitou em 2017. Com base em uma série de fissuras de lama em um local chamado “Old Soaker”, a equipe já sabia que a área tinha períodos mais secos e intermitentes. Mas os sais da ilha de Sutton sugerem que a água também se concentra em salmoura.

Normalmente, quando um lago seca completamente, deixa pilhas de cristais de sal puro para trás. Mas os sais da ilha de Sutton são diferentes: por um lado, são sais minerais, não sal de mesa. Eles também são misturados com sedimentos, sugerindo que eles se cristalizaram em um ambiente úmido – possivelmente logo abaixo de lagoas rasas e evaporantes, cheias de água salgada.

Imagem do lago no chile
Repleto de lagos salgados, o salar de Quisquiro, no Altiplano da América do Sul, representa o tipo de paisagem que os cientistas acham que poderia ter existido na Cratera Gale, que o veículo Curiosity da NASA está explorando.
Créditos: Maksym Bocharov

Dado que a Terra e Marte eram semelhantes em seus primeiros dias, Rapin especulou que a ilha de Sutton poderia se parecer com lagos salinos no Altiplano da América do Sul. Córregos e rios que fluem das cadeias de montanhas para este árido platô de alta altitude levam a bacias fechadas semelhantes à antiga Cratera Gale de Marte. Os lagos do Altiplano são fortemente influenciados pelo clima, da mesma forma que Gale.

“Durante períodos mais secos, os lagos do Altiplano se tornam mais rasos e alguns podem secar completamente”, disse Rapin. “O fato de estarem livres de vegetação os faz parecer um pouco com Marte.”

Sinais de Marte Secante

As rochas enriquecidas com sal de Sutton Island são apenas uma pista entre as várias que a equipe rover está usando para entender como o clima marciano mudou. Observando toda a jornada do Curiosity, iniciada em 2012, a equipe de cientistas vê um ciclo de umidade para secar em longas escalas de tempo em Marte.

“Ao escalarmos o Monte Sharp, vemos uma tendência geral de uma paisagem úmida para uma mais seca”, disse o cientista do projeto Curiosity Ashwin Vasavada, do Laboratório de Propulsão a Jato da NASA, em Pasadena, Califórnia. O JPL lidera a missão do Mars Science Laboratory da qual o Curiosity faz parte. “Mas essa tendência não ocorreu necessariamente de maneira linear. Mais provável, foi confuso, incluindo períodos mais secos, como o que estamos vendo em Sutton Island, seguido por períodos mais úmidos, como o que estamos vendo no barro” “unidade portadora” que o Curiosity está explorando hoje. “Até agora, o veículo espacial encontrou muitas camadas planas de sedimentos que haviam sido depositadas suavemente no fundo de um lago. Membro da equipe Chris

Gif animado mostrando como um leito de lago seca
Esta animação demonstra os lagos e córregos salgados que os cientistas acham que podem ter sido deixados para trás quando a Cratera Gale secou com o tempo. A parte inferior da imagem é o piso da Cratera Gale, com o pico ao lado do Monte Sharp.
Créditos: ASED Knowledge Enterprise Development (KED), Michael Northrop

Fedo, especialista no estudo de camadas sedimentares da Universidade do Tennessee, observou que o Curiosity está atualmente atravessando grandes estruturas rochosas que poderiam ter se formado apenas em um ambiente de energia mais alta, como uma área varrida pelo vento ou córregos.

O vento ou a água corrente acumulam sedimentos em camadas que gradualmente se inclinam. Quando se endurecem na rocha, tornam-se grandes estruturas semelhantes a “Teal Ridge”, que o Curiosity investigou no verão passado.

“Encontrar camadas inclinadas representa uma grande mudança, onde a paisagem não está mais completamente debaixo d’água”, disse Fedo. “Podemos ter deixado para trás a era dos lagos profundos”.

A curiosidade já espionou mais camadas inclinadas na unidade distante contendo sulfato. A equipe científica planeja dirigir até lá nos próximos dois anos e investigar suas muitas estruturas rochosas. Se eles se formaram em condições mais secas que persistiram por um longo período, isso pode significar que a unidade de argila representa um estágio intermediário – uma porta de entrada para uma era diferente na história aquosa da Cratera Gale.

“Não podemos dizer se ainda estamos vendo depósitos de vento ou rio na unidade de argila, mas estamos confortáveis ​​em dizer que definitivamente não é a mesma coisa que o que veio antes ou o que está por vir”, disse Fedo.

Para saber mais sobre a missão do rover Curiosity Mars da NASA, visite:

https://mars.nasa.gov/msl/

https://nasa.gov/msl

LEIA TAMBÉM  12 Tecnologias que existem há algum tempo e só serão comuns no futuro

LEIA TAMBÉM  A procura por vida! NASA confirma missão à lua de Júpiter, Europa