2ª Guerra Mundial: Americanos chineses se rotulam para evitar serem confundidos
Curiosidades Fotos e fatos

2ª Guerra Mundial: Americanos chineses se rotulam para evitar serem confundidos com japoneses

segunda guerra mundial disfarce - 2ª Guerra Mundial: Americanos chineses se rotulam para evitar serem confundidos com japoneses
Gostou? Compartilhe nas Redes Sociais
A Segunda Guerra Mundial trouxe uma mudança importante na comunidade chinesa da América. Por décadas, os chineses foram difamados nos Estados Unidos, especialmente na Califórnia, o centro dos sentimentos anti-chineses dos EUA. Os chineses haviam inicialmente chegado à Califórnia para a Corrida do Ouro e, mais tarde, para a construção da Ferrovia Transcontinental, mas o sentimento público rapidamente se voltou contra eles. A competição por empregos e uma depressão na década de 1870 levaram a uma reação racista contra os chineses. Eventualmente, a imigração chinesa foi encerrada com a Lei de Exclusão Chinesa de 1882. Os chineses na América se viram uma minoria odiada segregada em Chinatowns. O ataque a Pearl Harbor em 7 de dezembro de 1941 mudou tudo isso.
 Helen Chan coloca Sun Lum com um distintivo de lapela identificando-o como

Helen Chan coloca Sun Lum com um distintivo de lapela, identificando-o como “chinês”, para evitar ser encontrado com nipo-americanos que estavam sendo enterrados após o ataque do Japão a Pearl Harbor.

Para não ser confundido

Depois de Pearl Harbor, as percepções da China e dos chineses americanos foram subitamente transformadas. A China deixou de ser conhecida como o “homem doente da Ásia” para um aliado vital na guerra dos Estados Unidos contra os japoneses. Da mesma forma, os chineses passaram dos “chineses pagãos” para os amigos. Em 1943, um congressista disse que, se não fosse em 7 de dezembro, os EUA talvez nunca soubessem o quão bons eram os americanos chineses.

Motivados pelo medo e pela indignação, os chineses americanos também tentaram se distinguir o máximo possível dos japoneses e “provar sua lealdade total ao esforço de guerra americano”. Poucos dias depois de Pearl Harbor, o consulado chinês em São Francisco começou a emitir cartões de identificação e os chineses americanos começaram a usar botões e crachás com frases como “eu sou chinês”. Na esperança de provar sua lealdade aos Estados Unidos sem sombra de dúvida, os periódicos chineses também adotaram a retórica inflamatória anti-japonesa e os epítetos raciais usados ​​pela grande imprensa.

Ruth Lee, anfitriã de um restaurante chinês, exibe uma bandeira chinesa para não se confundir com japonesa quando toma sol nos dias de folga em Miami, após o ataque a Pearl Harbor, em 15 de dezembro de 1941. A bandeira mostrada aqui é a bandeira da China nacionalista que se exilou auto-imposta à ilha de Taiwan após a revolução comunista.  Esta bandeira é agora a bandeira de Taiwan.

Ruth Lee, anfitriã de um restaurante chinês, exibe uma bandeira chinesa para não se confundir com japonesa quando toma sol nos dias de folga em Miami, após o ataque a Pearl Harbor, em 15 de dezembro de 1941. A bandeira mostrada aqui é a bandeira da China nacionalista que foi exilada por si mesma para a ilha de Taiwan após a revolução comunista. Esta bandeira é agora a bandeira de Taiwan.

Embora houvesse algum sentimento de solidariedade pan-asiática, definitivamente não era a norma. Os americanos chineses, alimentados pela raiva da agressão japonesa em seu país de origem, seu patriotismo americano e seu desejo de serem vistos como patriotas americanos, foram, conscientemente ou não, cúmplices na perseguição de seus vizinhos japoneses.

O internamento dos japoneses foi mais ou menos ignorado pela comunidade chinesa, com exceção de alguns indivíduos. De fato, os periódicos chineses também participaram da divulgação da crença de que os nipo-americanos eram culpados de traição ou de ajudar o Japão.
O internamento japonês realmente apresentou uma oportunidade de progresso econômico e social para os chineses. Os comerciantes chineses se mudaram para empresas anteriormente pertencentes ao Japão. E quando os japoneses foram removidos de seus empregos agrícolas, o Serviço de Emprego dos Estados Unidos emitiu um pedido para que os americanos americanos os substituíssem.

chinese americans on ww2 3 - 2ª Guerra Mundial: Americanos chineses se rotulam para evitar serem confundidos com japoneses

“Me Chinese Please, No Japanese”.

A Segunda Guerra Mundial foi uma oportunidade para os chineses ganharem posição econômica e social na sociedade americana dominante; no entanto, a mudança nas percepções da América branca quanto aos chineses americanos também deve ser lembrada como uma conseqüência de atitudes racistas direcionadas aos japoneses americanos e a conseqüente internação de toda uma etnia. As marés mudaram rapidamente após a Segunda Guerra Mundial, quando os Estados Unidos declararam outra guerra, desta vez contra o comunismo. O poder, dado repentinamente aos chineses durante a guerra, foi tão rapidamente retirado depois.

Fonte original: Rare Historical Photos

Traduzido por Mídia Interessante

As fotos proibidas da Coréia do Norte

As fotos proibidas da Coréia do Norte

Sonda chinesa se depara com um gel estranho no lado oculto da Lua

País mais populoso do mundo lançará Taxis sem motoristas

Maiores empresas do mundo e seu inicio do zero

Celtic Woman: O quarteto Irlandês formado por mulheres talentosas

Lua falsa para iluminar as ruas! A China enlouqueceu?

China se iguala SpaceX e já retorna primeiro estágio em testes

Prédio com cachoeira entra em discórdia na China

Ponte de Vidro da China causa Pânico em seus visitantes

Previsão da ONU é que Paquistão ultrapasse Brasil como mais populoso

LEIA TAMBÉM  Brincadeiras no escritório

LEIA TAMBÉM  Fotos do Japão como você nunca viu