Relembre o ex-Skinhead que se arrependeu de suas tatuagens depois de ser pai - Fotos, Curiosidades, Comunicação, Jornalismo, Marketing, Propaganda, Mídia Interessante
Cotidiano Fotos e fatos

Relembre o ex-Skinhead que se arrependeu de suas tatuagens depois de ser pai

remover tatuagem - Relembre o ex-Skinhead que se arrependeu de suas tatuagens depois de ser pai
Gostou? Compartilhe nas Redes Sociais

Você se lembra da história de Bryon Widner, um “ex” em suas próprias palavras – “sociopata limítrofe” que estava cheio de ódio e tinha uma luxúria insaciável pela violência. Ele se tornou um skinhead aos 14 anos e passou 16 anos envolvido com organizações racistas no meio ao Oeste dos Estados Unidos. Descrito como um “pitbull”, Bryon Widner co-fundou o Vinlanders Social Club, um grupo de poder branco em Indiana que logo ganhou fama de violência excessiva.  Recentemente em Julho de 2019 um longa-metragem biográfico chamado Skin foi lançado relembrando a vida de Bryon Widner.

Skin poster - Relembre o ex-Skinhead que se arrependeu de suas tatuagens depois de ser pai

Em 2005, Widner se casou com Julie Larsen, que teve três filhos de um casamento anterior. Em 2006, o casal teve um filho. As responsabilidades da paternidade deram a Widner o desejo de reformar e deixar o movimento racista, um desejo compartilhado por Larsen. Widner deixou sua organização e suportou anos de ameaças de morte e assédio enquanto tentava mudar sua vida.

Remoção de tatuagem

Os esforços de Widner para se juntar à sociedade mais ampla foram significativamente prejudicados por suas extensas tatuagens faciais , muitas das quais eram violentas ou racistas. Larsen temia que Widner tomasse medidas drásticas para remover as tatuagens, como imergir seu rosto em ácido. Larsen acabou contatando a ativista anti-racista Daryle Lamont Jenkins, do One People’s Project, que a colocou em contato com o Southern Poverty Law Center (SPLC).

Depois de “várias semanas de conversação”, representantes do SPLC concordaram em ajudar Widner em sua missão para remover suas tatuagens faciais. Eles encontraram um cirurgião plástico disposto a realizar o procedimento e um doador anônimo forneceu US $ 35 mil para os procedimentos. A remoção completa das tatuagens faciais de Widner demorou um pouco mais de um ano e meio e mais de uma dúzia de procedimentos individuais, todos dolorosamente excruciantes.

“Eu estava totalmente preparado para limpar meu rosto em ácido” desabafou Bryon Widner

Créditos da imagem: AP

Créditos da imagem: AP

Créditos da imagem: AP

Créditos da imagem: AP

 

Créditos da imagem: AP

Créditos da imagem: AP

Transformação

Widner tomou a decisão de deixar o grupo neonazista, mas levou anos de ameaças de morte e assédio antes de sentir que ele estava finalmente se tornando “humano novamente”.

Créditos da imagem: AP

Créditos da imagem: AP

As tentativas de Widner de se tornar parte da sociedade regular foram compreensivelmente dificultadas por suas muitas tatuagens faciais, que eram intimidantes e abertamente racistas. Sua esposa Julie estava com medo de que ele fizesse algo extremo para apagar suas tatuagens, tão deprimido e desesperado que ele estava se tornando. “Eu estava totalmente preparado para mergulhar meu rosto em ácido”, disse ele em entrevista à Associated Press.

Créditos da imagem: AP

Créditos da imagem: AP

Créditos da imagem: AP

Créditos da imagem: AP

Depois de várias semanas de reuniões e avaliação, os representantes do SPLC decidiram que Widner era sincero em seu desejo de se reintegrar completamente à sociedade e concordou em ajudá-lo a remover suas tatuagens faciais. Eles encontraram um cirurgião plástico disposto a realizar o procedimento.

  • Doador anônimo forneceu US$ 35 mil para os procedimentos.
Créditos da imagem: AP

Créditos da imagem: AP

Créditos da imagem: AP

Créditos da imagem: AP

A remoção completa das tatuagens faciais de Widner levou cerca de um ano e meio, e ele teve que suportar mais de uma dúzia de procedimentos individuais, todos dolorosamente dolorosos. Dr. Bruce Shack, presidente do Departamento de Cirurgia Plástica do Vanderbilt University Medical Center, em Nashville, disse a Widner que as remoções pareceriam “você tem a pior queimadura do mundo, seu rosto vai inchar como um pugilista, mas vai eventualmente curar.

ANTES X DEPOIS

Créditos da imagem: AP

Créditos da imagem: AP

 

 

Muitas vezes levava dias para que as queimaduras e bolhas se curassem, antes que ele estivesse pronto para a próxima rodada sob o laser. Mas Widner estava determinado a fazer a coisa certa por sua nova família, e ele continuou voltando para os procedimentos agonizantes até restarem apenas algumas cicatrizes.

Créditos da imagem: AP

Créditos da imagem: AP

Desde então, Widner se tornou o tema de um documentário que narra sua história de redenção, chamada  Erasing Hate .  Além disso, um longa-metragem chamado  Skin foi lançado recentemente e é uma versão dramatizada de sua história, estrelada pelo ator de Billy Elliot,  Jamie Bell,  como o neo-nazi reformado.

Créditos da imagem: AP

Créditos da imagem: AP

 

Tendo jogado fora tudo relacionado ao seu passado racista, Widner agora encobriu suas tatuagens corporais racistas e espera que sua história possa inspirar outras pessoas. Em um tempo de crescente ódio e divisão, se apenas um jovem adolescente irritado prestes a se tornar um skinhead muda de idéia depois de ver seu sofrimento, isso é uma vitória para Widner. Nunca é tarde demais para escolher o amor sobre o ódio e se Bryon Widner conseguir, qualquer um pode.

Representações

Widner é o tema do documentário 2011 da TV americana Erasing Hate e do longa-metragem biográfico 2018, Skin, um filme de drama biográfico americano escrito e dirigido pelo cineasta de origem israelense Guy Nattiv. Segue-se a vida do ex-membro do grupo skinhead Bryon Widner, e estrelado por Jamie Bell, Danielle Macdonald, Daniel Henshall, Camp Bill, Louisa Krause, Zoe Colletti, Kylie Rogers , Colbi Gannett, Mike Colter e Vera Farmiga. Ele teve sua estréia mundial no Toronto International Film Festival de 2018 em 8 de setembro de 2018. Foi lançado em 27 de junho de 2019 pela DirecTV Cinema, antes de ser lançado em 26 de julho de 2019.

FONTES: Wikipédia, AP

 

LEIA TAMBÉM  Comentário de Salvador Sobral durante apresentação foi ofensivo?
LEIA TAMBÉM  "My Social Tatoo" A influência do Facebook