NASA testa sistema para salvar vida de Astronautas caso houver erro no lançamento
Universo Vídeos

NASA testa cápsula para salvar vida de Astronautas caso houver erro

capula orion - NASA testa cápsula para salvar vida de Astronautas caso houver erro
Gostou? Compartilhe nas Redes Sociais

Salvar vida de Astronautas – A NASA demonstrou com sucesso o sistema de abortamento de lançamento da nave espacial Orion pode ultrapassar um foguete em alta velocidade e colocar os astronautas em segurança durante uma emergência durante o lançamento. O teste é outro marco na preparação da agência para as missões da Artemis na Lua que levarão a missões de astronautas a Marte. A agência espacial preferiu não embarcar a tripulação no primeiro voo de testes, no qual foi avaliado elementos cruciais da nave, como o escudo contra calor, o paraquedas, entre outros. O primeiro voo tripulado da Orion está programado para 2021. Lua provavelmente em 2024. O embarque para Marte, para a década de 2030. Veja o vídeo do teste abaixo.

Salvar vida de Astronautas

orion capsula leva homem a lua - NASA testa cápsula para salvar vida de Astronautas caso houver erro

Teste de Orion bem-sucedido aproxima a NASA da Lua e das missões a Marte

Fonte: NASA/ Traduzido por Mídia Interessante

Durante o teste de aproximadamente três minutos, chamado Ascent Abort-2, uma versão de teste do módulo de tripulação Orion foi lançado às 7h (horário local) do Complexo de Lançamento Espacial 46 na Estação da Força Aérea de Cabo Canaveral, na Flórida, em um míssil Peacekeeper modificado. Força e construído pela Northrop Grumman.

A sonda espacial Orion viajou a uma altitude de cerca de seis milhas, altura em que experimentou condições aerodinâmicas de grande tensão esperadas durante a subida. A sequência de cancelamento acionou e, em milissegundos, o motor de aborto disparou para puxar o módulo da tripulação para longe do foguete. Seu motor de controle de atitude girou a cápsula de ponta a ponta para orientá-la corretamente e, em seguida, o motor de lançamento foi disparado, liberando o módulo da tripulação para o mergulho no Oceano Atlântico.

Uma equipe está coletando os 12 gravadores de dados que foram ejetados durante a descida da cápsula de teste. A análise da informação fornecerá informações sobre o desempenho do sistema de aborto.

“Estamos construindo o foguete mais poderoso do mundo para enviar astronautas à Lua na espaçonave Orion para as missões Artemis”, disse Bill Hill, vice-administrador associado de Desenvolvimento de Sistemas de Exploração na sede da NASA em Washington. “Com este sistema de exploração projetado para transportar os seres humanos mais longe no espaço do que nunca, também teremos um sistema de abortamento de lançamento igualmente poderoso que afastará a tripulação se houver um problema com o foguete durante a parte inicial da subida.”

Ascent Abort-2, uma versão de teste do módulo de tripulação Orion.
Créditos: NASA

 

 

 

A estrutura de abortamento em forma de torre consiste em duas partes: o conjunto de carenagem, que é um invólucro composto de um material compósito leve que protege a cápsula do calor, do fluxo de ar e da acústica dos ambientes de lançamento, subida e aborto; e a torre de abortamento de lançamento, que inclui o motor de aborto, o motor de controle de atitude e o motor de lançamento. O sistema é construído especificamente para missões de espaço profundo e para montar o poderoso foguete Space Launch System (SLS) da NASA .

“Lançar para o espaço é uma das partes mais difíceis e perigosas de ir à Lua”, disse Mark Kirasich, gerente do programa Orion no Centro Espacial Johnson, em Houston. “Este teste imitou algumas das condições mais desafiadoras que Orion enfrentará caso uma emergência se desenvolva durante a fase de ascensão do voo. Hoje, a equipe demonstrou nossa capacidade de abortar sob essas condições exigentes e nos colocou um grande passo mais perto do primeiro voo da Artemis levando as pessoas à Lua. ”

A NASA conseguiu acelerar o cronograma de testes e reduzir os custos, simplificando a espaçonave de teste e eliminando pára-quedas e sistemas relacionados. A NASA já qualificou o sistema de pára-quedas para voos tripulados através de uma extensa série de 17 testes de desenvolvimento e oito testes de qualificação concluídos no final de 2018.

Engenheiros estão fazendo progresso construindo e testando a espaçonave Orion para Artemis 1 , a primeira missão desenrolada com o foguete SLS – um sistema integrado viajando milhares de quilômetros além da Lua – e para Artemis 2 , a primeira missão com astronautas.

No Centro Espacial Kennedy da NASA, na Flórida, os técnicos estão se preparando para anexar a tripulação e os módulos de serviço da Orion antes de serem testados na estação Plum Brook, em Sandusky, Ohio, no final deste ano. O módulo de tripulação para Artemis 2 está sendo equipado com milhares de elementos – de parafusos e extensômetros a paraquedas e linhas de propulsão.

Recentemente, a agência alcançou importantes marcos para o foguete SLS, montando quatro das cinco partes que compõem o enorme estágio central que lançará o Artemis 1 e entregará os quatro motores que serão integrados ao estágio central, juntamente com a seção do motor, mais tarde este Verão. Quando concluído, todo o  estágio central  será o maior estágio de foguetes que a NASA construiu desde a fabricação dos estágios Saturn V para as missões lunares Apollo da NASA nos anos 60. 

Orion faz parte do backbone da NASA para a exploração do espaço profundo, juntamente com o SLS e Gateway , que vai pousar a primeira mulher e o próximo homem na  Lua até 2024 . Através do programa Artemis, os próximos caminhantes americanos da Lua partirão da Terra a bordo do Orion e começarão uma nova era de exploração.

Saiba mais sobre o Orion em:

https://www.nasa.gov/orion

Para mais informações sobre os planos de exploração Moon to Mars da NASA, visite:

https://www.nasa.gov/moontomars

LEIA TAMBÉM  Rússia copia o "Caveirão" do Rio de Janeiro e apresenta o "Falkatus"

LEIA TAMBÉM  Descobertos mais 12 luas em Júpiter, no total somam 79