NASA descobrem a maior maré do mundo
Cotidiano Universo

NASA descobre a maior maré do mundo

maior mare do mundo - NASA descobre a maior maré do mundo
Gostou? Compartilhe nas Redes Sociais

Por NASA – Equipe de Notícias em Ciências da Terra da NASA, Ellen Grey / Traduzido por Mídia Interessante

Maior maré do mundo

Um cinturão sem precedentes de algas marrons se estende da África Ocidental ao Golfo do México – e é provável que aqui permaneça. Cientistas da Universidade do Sul da Flórida, no Colégio de Ciências Marinhas de São Petersburgo, usaram as observações dos satélites da NASA para descobrir e documentar a maior floração de macroalgas no mundo, apelidada de Grande Cinturão de Sargassum do Atlântico , como publicado na Science .

Com base em simulações por computador, eles confirmaram que este cinturão da macroalga marrom Sargassum forma-se em resposta às correntes oceânicas. Ela pode crescer tanto que cobre a superfície do Oceano Atlântico tropical da costa oeste da África até o Golfo do México. Em 2018, mais de 20 milhões de toneladas – mais de 200 porta-aviões totalmente carregados – flutuaram em águas superficiais e se tornaram um problema para as linhas costeiras do Atlântico, Mar do Caribe, Golfo do México e costa leste da Flórida. destinos de praia populares e águas costeiras lotadas.

“A escala dessas flores é realmente enorme, tornando as imagens de satélite globais uma boa ferramenta para detectar e rastrear sua dinâmica ao longo do tempo”, disse Woody Turner, gerente do Programa de Previsão Ecológica na sede da NASA em Washington.

Chuanmin Hu, do Colégio de Ciências Marinhas da USF, que liderou o estudo, estudou o uso de satélites em Sargassum desde 2006. Hu liderou o trabalho com o primeiro autor, Dr. Mengqiu Wang, um estudante de pós-doutorado em seu Laboratório de Oceanografia Óptica na USF. A equipe incluiu outras da USF, Florida Atlantic University e Georgia Institute of Technology. Os dados que eles analisaram do Espectrorradiômetro de Imagens de Resolução Moderada (MODIS) da NASA entre 2000-2018 indicam uma possível mudança de regime nas florações de Sargassumdesde 2011.

Nas imagens de satélite, as principais flores ocorreram em todos os anos entre 2011 e 2018, exceto 2013. Essas informações, juntamente com as medições de campo, sugerem que nenhuma flor ocorreu em 2013 porque as populações de sementes de Sargassum medidas durante o inverno de 2012 foram incomumente baixas, disse Wang. .

(Esquerda) Uma quantidade insalubre de Sargassum perto de Big Pine Key, na parte baixa de Florida Keys. Crédito: Brian Lapointe, Ph.D., Florida Atla
(Esquerda) Uma quantidade insalubre de Sargassum perto de Big Pine Key, na parte baixa de Florida Keys. Crédito: Brian Lapointe, Ph.D., Instituto Oceanográfico do Ramo Harbour da Florida Atlantic University (à direita) Em doses esparsas no oceano aberto, o Sargassum contribui para a saúde dos oceanos fornecendo habitat para a vida marinha. A Dra. Mengqiu Wang estava realizando trabalho de campo no Golfo do México no ano passado, quando viu os golfinhos parecendo desfrutar de sua incursão pelo Sargassum.
Créditos: Mengqiu Wang

Antes de 2011, a maior parte do Sargassum flutuante livre no oceano foi encontrada principalmente em manchas ao redor do Golfo do México e do Mar Sargasso. O Mar dos Sargaços está localizado na borda oeste do Oceano Atlântico central e recebeu o nome de seu popular residente de algas. Em doses irregulares no oceano aberto, Sargassum contribui para a saúde dos oceanos, fornecendo habitat para tartarugas, caranguejos, peixes e pássaros e, como outras plantas, produzindo oxigênio via fotossíntese. Mas muito dessa alga pode expulsar espécies marinhas, especialmente perto da costa.

Em 2011, as populações de Sargassum começaram a explodir em lugares que não tinham sido antes, como o Oceano Atlântico central, e então chegou em gigantescas lagoas que sufocaram as costas e introduziram um novo incômodo para os ambientes e economias locais.

“A química do oceano deve ter mudado para que as flores fiquem tão fora de controle”, disse Hu. Sargassum se reproduz a partir de fragmentos da planta parental e provavelmente tem várias zonas de iniciação ao redor do Oceano Atlântico. Cresce mais rapidamente quando as condições nutricionais são favoráveis ​​e quando o seu relógio interno é favorável à reprodução.

A equipe identificou os principais fatores que são críticos para a formação de flores: uma grande população de sementes no inverno que sobrou de um florescimento anterior, a entrada de nutrientes da África Ocidental surgindo no inverno e a entrada de nutrientes na primavera ou no verão do rio Amazonas. Esses nutrientes descarregados podem ter aumentado nos últimos anos devido ao aumento do desmatamento e do uso de fertilizantes, embora Hu tenha observado que as evidências de enriquecimento de nutrientes são preliminares e baseadas em dados disponíveis limitados, e a equipe precisa de mais pesquisas para confirmar essa hipótese. Além disso, Sargassum só cresce bem quando a salinidade é normal e as temperaturas da superfície são normais ou mais frias.

Mengqiu Wang e Chuanmin Hu, Faculdade de Ciências Marinhas da USF
O Great Atlantic Sargassum Belt em julho de 2018. Os cientistas usaram o espectrorradiômetro de resolução moderada (MODIS) da NASA nos satélites Terra e Aqua para descobrir o Grande Cinturão do Sargassum Atlântico (GASB), iniciado em 2011. Ele ocorre todos os anos desde 2013. e muitas vezes se estende desde a costa oeste da África até o Golfo do México.
Créditos: NASA / Earth Observatory. Dados fornecidos por Mengqiu Wang e Chuanmin Hu, Faculdade de Ciências Marinhas da USF

“A biogeoquímica dos oceanos da Terra está mudando em resposta às forças naturais e humanas. O Great Atlantic  Sargassum  Belt sugere que podemos estar testemunhando mudanças nos ecossistemas em nossos oceanos que podem ter implicações importantes para os organismos marinhos e serviços ecossistêmicos dos quais os humanos dependem ”, disse Paula Bontempi, que administra o Programa de Biogeoquímica e Ocean Biologia da NASA. como vice-diretor interino da Divisão de Ciências da Terra da NASA na sede da NASA.

“Tudo isso está relacionado à mudança climática, já que o clima afeta a precipitação e a circulação oceânica e até mesmo as atividades humanas [que podem levar ao florescimento de Sargassum ], mas o que mostramos é que essas flores não ocorrem devido ao aumento da temperatura da água”. Hu disse: “Eles provavelmente estão aqui para ficar”.

Este trabalho foi financiado por vários programas na Divisão de Ciências da Terra da NASA, no Programa de Ciência do RESTAURAR NOAA, no projeto JPSS / NOAA Cal / Val, na National Science Foundation e por uma Bolsa William and Elsie Knight Endowed.

Foto da bandeira: Sargassum fora de Big Pine Key nas chaves mais baixas de Florida. Crédito: Brian Lapointe, Ph.D., Instituto Oceanográfico do Ramo Harbour da Florida Atlantic University