Libélula da NASA vai voar em torno de Titã à procura de origens, sinais de vida
Universo

NASA vai voar em torno da lua Titã à procura de sinais de vida

drone titan 5 - NASA vai voar em torno da lua Titã à procura de sinais de vida

 

Titã é o maior satélite natural de Saturno e o segundo maior de todo o Sistema Solar, atrás apenas de Ganímedes de Júpiter. É o único satélite que possui uma atmosfera densa e o único objeto estelar além da Terra onde já foram encontradas evidências concretas da existência de corpos líquidos estáveis na superfície. Ele foi descoberto em 1655 pelo astrônomo Christiaan Huygens, o primeiro satélite natural de Saturno descoberto e o sexto do Sistema Solar. Titã é o sexto satélite elipsoidal a partir de Saturn.

Sinais de vida – NASA anunciou que o nosso próximo destino no sistema solar é o mundo único e ricamente orgânico Titan. Avançando em nossa busca pelos blocos de construção da vida, a missão Dragonfly voará em várias sortidas para amostrar e examinar locais ao redor da lua gelada de Saturno.

A Dragonfly será lançada em 2026 e chegará em 2034. O helicóptero voará para dezenas de locais promissores em Titã, em busca de processos químicos prebióticos comuns em Titã e na Terra. A libélula marca a primeira vez que a NASA voará um veículo multi-rotor para a ciência em outro planeta; tem oito rotores e voa como um grande drone. Aproveitará a atmosfera densa de Titã – quatro vezes mais densa que a da Terra – para se tornar o primeiro veículo a transportar toda a sua carga científica para novos locais para acesso repetitivo e direcionado a materiais de superfície.

Libélula da NASA vai voar em torno de Titã à procura de origens, sinais de vida

Traduzido por Mídia Interessante

dragonfly landing - NASA vai voar em torno da lua Titã à procura de sinais de vida
Esta ilustração mostra o rotorcraft-lander Dragonfly da NASA aproximando-se de um local na lua exótica de Saturno, Titã. Aproveitando-se da densa atmosfera de Titã e da baixa gravidade, a Dragonfly explorará dezenas de locais em todo o mundo gelado, amostrando e medindo as composições dos materiais de superfície orgânicos de Titã para caracterizar a habitabilidade do ambiente de Titã e investigar a progressão da química prebiótica.
Créditos: NASA / JHU-APL

Titã é um análogo da Terra primitiva e pode fornecer pistas de como a vida pode ter surgido em nosso planeta. Durante sua missão de linha de base de 2,7 anos, a Dragonfly explorará ambientes diversos, desde dunas orgânicas até o chão de uma cratera de impacto onde a água líquida e os materiais orgânicos complexos essenciais à vida já existiram juntos por possivelmente dezenas de milhares de anos. Seus instrumentos estudarão até onde a química prebiótica pode ter progredido. Eles também investigarão as propriedades atmosféricas e superficiais da Lua e seus reservatórios oceânicos e líquidos de subsuperfície. Além disso, os instrumentos procurarão evidências químicas da vida passada ou existente.

“Com a missão Dragonfly, a NASA mais uma vez fará o que ninguém mais pode fazer”, disse Jim Bridenstine, administrador da Nasa. “Visitar este misterioso mundo oceânico poderia revolucionar o que sabemos sobre a vida no universo. Esta missão de ponta teria sido impensável há apenas alguns anos, mas agora estamos prontos para o incrível voo da Dragonfly. ”

Libélula aproveitou 13 anos de Cassinidados para escolher um período de tempo calmo para pousar, junto com um local de pouso inicial seguro e alvos cientificamente interessantes. Ele pousará primeiro nos campos de dunas equatoriais “Shangri-La”, que são terrestres semelhantes às dunas lineares na Namíbia, na África Austral, e oferecem um local de amostragem diversificado. A Dragonfly explorará esta região em vôos curtos, construindo uma série de mais longos voos de “salto” de até 8 quilômetros, parando ao longo do caminho para coletar amostras de áreas atraentes com geografia diversa. Ele finalmente alcançará a cratera de impacto Selk, onde há evidências de água líquida passada, produtos orgânicos – as moléculas complexas que contêm carbono, combinadas com hidrogênio, oxigênio e nitrogênio – e energia, que juntos formam a receita da vida.

“Titã é diferente de qualquer outro lugar no sistema solar, e Dragonfly é como nenhuma outra missão”, disse Thomas Zurbuchen, administrador associado da NASA para Ciência na sede da agência em Washington. “É impressionante pensar neste helicóptero voando quilômetros e quilômetros pelas dunas orgânicas da maior lua de Saturno, explorando os processos que moldam esse ambiente extraordinário. A Dragonfly visitará um mundo repleto de uma grande variedade de compostos orgânicos, que são os blocos de construção da vida e podem nos ensinar sobre a origem da própria vida.”

dragonfly - NASA vai voar em torno da lua Titã à procura de sinais de vida

Titã tem uma atmosfera baseada em nitrogênio como a Terra. Ao contrário da Terra, Titã tem nuvens e chuva de metano. Outros orgânicos são formados na atmosfera e caem como neve clara. O clima e os processos de superfície da Lua combinaram compostos orgânicos, energia e água similares àqueles que podem ter despertado vida em nosso planeta.

Titã é maior que o planeta Mercúrio e é a segunda maior lua do nosso sistema solar. Ao orbitar Saturno, está a cerca de 886 milhões de quilômetros do Sol, cerca de dez vezes mais longe que a Terra. Por estar tão longe do Sol, sua temperatura superficial é de cerca de -179 graus Celsius (-290 graus Fahrenheit). Sua pressão superficial também é 50% maior que a da Terra.

A Dragonfly foi selecionada como parte do programa New Frontiers da agência, que inclui a missão New Horizons para Plutão e Kuiper, Juno para Júpiter e OSIRIS-REx para o asteroide Bennu. A Dragonfly é liderada pela pesquisadora principal Elizabeth Turtle, que trabalha no Laboratório de Física Aplicada da Universidade Johns Hopkins em Laurel, Maryland. Novas Fronteiras apóia missões que foram identificadas como as principais prioridades de exploração do sistema solar pela comunidade planetária. O programa é administrado pelo Escritório do Programa de Missões Planetárias no Marshall Space Flight Center da NASA em Huntsville, Alabama, para a Divisão de Ciência Planetária da agência em Washington.

“O programa Novas Fronteiras transformou nossa compreensão do sistema solar, descobrindo a estrutura interna e a composição da atmosfera turbulenta de Júpiter, descobrindo os segredos gelados da paisagem de Plutão, revelando objetos misteriosos no cinturão de Kuiper e explorando um asteróide próximo à Terra para o blocos de construção da vida ”, disse Lori Glaze, diretora da Divisão de Ciências Planetárias da NASA. “Agora podemos adicionar Titã à lista de mundos enigmáticos que a NASA irá explorar.”

Para mais informações sobre Titan, visite:

https://solarsystem.nasa.gov/moons/saturn-moons/titan/overview

Leia mais sobre o programa Novas Fronteiras da NASA e missões em:

https://planetarymissions.nasa.gov

 

LEIA TAMBÉM  Mais um Planeta no Sistema Solar pode ter sido encontrado

LEIA TAMBÉM  Coletanêa de bons vídeos de Flauta (Magos da flauta)

Damos valor à sua privacidade

Nós e os nossos parceiros armazenamos ou acedemos a informações dos dispositivos, tais como cookies, e processamos dados pessoais, tais como identificadores exclusivos e informações padrão enviadas pelos dispositivos, para as finalidades descritas abaixo. Poderá clicar para consentir o processamento por nossa parte e pela parte dos nossos parceiros para tais finalidades. Em alternativa, poderá clicar para recusar o consentimento, ou aceder a informações mais pormenorizadas e alterar as suas preferências antes de dar consentimento. As suas preferências serão aplicadas apenas a este website.

Cookies estritamente necessários

Estes cookies são necessários para que o website funcione e não podem ser desligados nos nossos sistemas. Normalmente, eles só são configurados em resposta a ações levadas a cabo por si e que correspondem a uma solicitação de serviços, tais como definir as suas preferências de privacidade, iniciar sessão ou preencher formulários. Pode configurar o seu navegador para bloquear ou alertá-lo(a) sobre esses cookies, mas algumas partes do website não funcionarão. Estes cookies não armazenam qualquer informação pessoal identificável.

Cookies de desempenho

Estes cookies permitem-nos contar visitas e fontes de tráfego, para que possamos medir e melhorar o desempenho do nosso website. Eles ajudam-nos a saber quais são as páginas mais e menos populares e a ver como os visitantes se movimentam pelo website. Todas as informações recolhidas por estes cookies são agregadas e, por conseguinte, anónimas. Se não permitir estes cookies, não saberemos quando visitou o nosso site.

Cookies de funcionalidade

Estes cookies permitem que o site forneça uma funcionalidade e personalização melhoradas. Podem ser estabelecidos por nós ou por fornecedores externos cujos serviços adicionámos às nossas páginas. Se não permitir estes cookies algumas destas funcionalidades, ou mesmo todas, podem não atuar corretamente.

Cookies de publicidade

Estes cookies podem ser estabelecidos através do nosso site pelos nossos parceiros de publicidade. Podem ser usados por essas empresas para construir um perfil sobre os seus interesses e mostrar-lhe anúncios relevantes em outros websites. Eles não armazenam diretamente informações pessoais, mas são baseados na identificação exclusiva do seu navegador e dispositivo de internet. Se não permitir estes cookies, terá menos publicidade direcionada.

Visite as nossas páginas de Políticas de privacidade e Termos e condições.

Importante: Este site faz uso de cookies que podem conter informações de rastreamento sobre os visitantes.