pisar na Lua novamente – Como já publicamos no Mídia Interessante, o grande sonho de inumeros astronomos era celebrar os 50 anos do pouso na Lua com outro pouso na Lua, como no artigo: NASA comemorará 50 anos do pouso a lua com Estação LunarNo entanto, parece que o retorno do homem ao seu satélite Natural ficará na celebração dos 60 anos.

pisar na Lua novamente

A Lua é uma parte fundamental do passado e futuro da Terra – um continente fora do mundo que pode conter recursos valiosos para apoiar a atividade espacial e os tesouros científicos que podem nos dizer mais sobre o nosso próprio planeta. Embora os americanos tenham caminhado em sua superfície há quase 50 anos, nossos exploradores deixaram pegadas em apenas seis locais, durante um total de 16 dias na superfície. A próxima onda de exploração lunar será fundamentalmente diferente.

A Nasa está construindo um plano para os americanos orbitarem a Lua a partir de 2023 e pousar astronautas na superfície até o final da década de 2020. Esta será a primeira oportunidade para a maioria das pessoas vivas hoje presenciar um pouso na Lua – um momento em que, admirado e admirado, o mundo prendeu a respiração. No entanto, a América não vai parar por aí.

Veja notícia divulgada pela NASA
FONTE: NASA / Editor responsável Karen Northon

Traduzido por Mídia Interessante 

NASA divulga campanha sustentável para retornar à Lua e ir a Marte

Em dezembro de 2017, o presidente Donald Trump assinou a Diretiva de Políticas Espaciais-1, na qual o presidente dirigiu a NASA “para liderar um programa inovador e sustentável de exploração com parceiros comerciais e internacionais para permitir a expansão humana através do sistema solar e trazer de volta à Terra. novos conhecimentos e oportunidades. ”

Em resposta a essa chamada audaciosa, e consistente com a Lei de Autorização de Transição da NASA de 2017, a NASA recentemente apresentou ao Congresso um plano para revitalizar e adicionar direção ao propósito duradouro da NASA. A Campanha Nacional de Exploração Espacial exige missões de exploração humana e robótica para expandir as fronteiras da experiência humana e a descoberta científica dos fenômenos naturais da Terra, de outros mundos e do cosmos.

A Campanha de Exploração baseia-se em 18 anos contínuos de americanos e nossos parceiros internacionais que vivem e trabalham juntos na Estação Espacial Internacional. Aproveita os avanços no setor de espaço comercial, robótica e outras tecnologias, e acelera nos próximos anos com o lançamento do foguete espacial Orion (SLS) da NASA e Orion.

A Campanha de Exploração tem cinco objetivos estratégicos:

  1. Transitar as atividades de voos espaciais tripulados dos EUA em órbita terrestre baixa para operações comerciais que apóiem ​​a NASA e as necessidades de um mercado emergente do setor privado.
  2. Lidera a colocação de recursos que suportam operações de superfície lunar e facilitam missões além do espaço cislunar.
  3. Promover a descoberta científica e a caracterização dos recursos lunares através de uma série de missões robóticas.
  4. Devolva os astronautas norte-americanos à superfície da Lua para uma campanha sustentada de exploração e uso.
  5. Demonstrar os recursos necessários para missões humanas em Marte e outros destinos.
Representação visual das atividades da NASA em órbita baixa da Terra, a Lua e Marte
A Campanha de Exploração da NASA inclui liderança ativa em órbita baixa da Terra, em órbita ao redor da Lua e em sua superfície, e em destinos muito além, incluindo Marte.
Créditos: NASA

Atividades de órbita terrestre de transição

A NASA pretende fazer a transição do atual modelo de atividades espaciais humanas em órbita terrestre baixa para um modelo em que o governo é apenas um cliente para serviços comerciais.

Com base em informações de parceiros atuais, comerciais e outros interessados, a NASA moldará o plano para a transição de atividades de órbita baixa da Terra, de financiamento direto do governo para serviços comerciais e parcerias, com novas plataformas comerciais independentes ou um modelo operacional não-NASA para alguma forma ou elementos da Estação Espacial Internacional até 2025. Além disso, a NASA expandirá as parcerias público-privadas para desenvolver e demonstrar tecnologias e capacidades para permitir novos produtos e serviços espaciais comerciais.

A Estação Espacial Internacional continuará a servir como uma plataforma central de voos espaciais de longa duração por pelo menos 2024, o que marcará quase 25 anos de ocupação humana contínua e cooperação internacional bem-sucedida no espaço.

A NASA aproveita a estação espacial para aprender como manter tripulações saudáveis ​​e produtivas em missões espaciais profundas e como um testbed para desenvolver tecnologias para apoiar essas missões. É um campo de testes experimentais que permite a descoberta e o desenvolvimento de robótica avançada, comunicações, medicina, agricultura e ciências ambientais.

A estação espacial também pode ajudar a permitir a transição para atividades comerciais na órbita baixa da Terra. A Nasa recentemente concedeu 12 contratos para a indústria para investigar a melhor maneira de usar a estação espacial para envolver a indústria comercial dos EUA a assumir um papel principal na órbita baixa da Terra. O portfólio de estudos selecionados incluirá conceitos específicos do setor detalhando os planos de negócios e a viabilidade de plataformas habitáveis, usando a estação espacial ou estruturas separadas de vôo livre.

Para a lua

Um componente-chave para estabelecer a primeira presença e infra-estrutura americana permanente na Lua e ao seu redor é o Gateway, uma plataforma lunar em órbita para receber os astronautas mais distantes da Terra do que nunca.

No Portal, a América e seus parceiros se prepararão para transitar o espaço profundo, testando novas tecnologias e sistemas à medida que construíssemos a infraestrutura para apoiar missões na superfície da Lua e nos prepararmos para a missão histórica a Marte. A NASA também estudará os efeitos do ambiente de espaço profundo do Gateway, aprendendo como os organismos vivos reagem à radiação e à microgravidade de um ambiente de espaço profundo por longos períodos.

O Gateway também será avaliado como uma plataforma para a montagem de cargas e sistemas; um módulo de comando reutilizável para a vizinhança lunar e exploração de superfície; e uma estação de caminho para o desenvolvimento de depósitos de reabastecimento, plataformas de serviço e uma facilidade de devolução de amostras.

Alguns elementos do Gateway já estão em construção nos centros da NASA nos Estados Unidos, incluindo instalações em Ohio, Texas e Alabama, e em instalações de parceiros comerciais. O Gateway será montado no espaço, incrementalmente, usando a espaçonave Orion e SLS, bem como veículos de lançamento comercial. O primeiro elemento, fornecendo energia e propulsão, será lançado na Flórida em 2022.

A superfície lunar servirá como um campo de treinamento crucial e um local de teste de demonstração tecnológica, onde nos prepararemos para futuras missões humanas em Marte e outros destinos. Através de uma combinação inovadora de missões envolvendo parceiros comerciais e internacionais, as missões robóticas da superfície lunar começarão em 2020, concentrando-se na exploração científica dos recursos lunares e preparando a superfície lunar para uma presença humana sustentada.

No final da década de 2020, um módulo lunar capaz de transportar tripulações e cargas começará a viajar até a superfície da Lua. As atividades de superfície lunar sustentáveis ​​de longo prazo possibilitadas por esses esforços, em conjunto com o Portal, expandir-se-ão e se diversificarão ao longo do tempo, aproveitando a Lua e o espaço próximo para a exploração científica no sentido mais amplo.

Em Marte

O primeiro pouso humano em Marte – audacioso em sua complexidade – será uma conquista lembrada com admiração no futuro da humanidade. Os principais componentes da Campanha de Exploração já estão em andamento e incluem voos espaciais tripulados de longa duração na estação espacial, desenvolvimento de sistemas avançados de suporte à vida e continuar a liderar e avançar o mundo em missões de ciências do espaço profundo.

No geral, a Campanha de Exploração se concentra em uma abordagem transformadora que inclui o desenvolvimento de tecnologias e sistemas que possibilitam uma série de missões lunares humanas e robóticas que são extensíveis a Marte.

A NASA continua a manter a liderança na exploração robótica em torno de Marte. A missão InSight da agência agora está a caminho de Marte e pousará em novembro para estudar o interior do Planeta Vermelho. O desenvolvimento do próximo rover da NASA para Marte continua a fazer excelentes progressos e está programado para ser lançado em julho de 2020.

O rover Mars 2020 ajudará nossa busca por vidas passadas e demonstrará a produção de combustível e outros recursos que permitem a exploração humana. Também usaremos essa missão como um bloco de construção para uma missão robótica de ida e volta subseqüente, com o lançamento do primeiro foguete histórico de outro planeta e uma amostra de retorno. Essa missão vai servir como um precursor essencial para uma eventual série de missões tripuladas a Marte prevista para começar nos 2030 de e culminando em um pouso de superfície, que será apoiado pelo trabalho que vamos fazer na Lua nos próximos anos.

As prioridades estabelecidas na Campanha Nacional de Exploração Espacial garantem que os Estados Unidos manterão a liderança em ciência e exploração espacial. Para ler a Campanha de Exploração completa, visite:

https://go.nasa.gov/2pyqmMD

LEIA TAMBÉM  NASA comemorará 50 anos do pouso a lua com Estação Lunar