Artigo: Herdamos uma democracia, onde está nossa cidadania? - Fotos, Curiosidades, Comunicação, Jornalismo, Marketing, Propaganda, Mídia Interessante
Opinião

Artigo: Herdamos uma democracia, onde está nossa cidadania?

Democracia - Artigo: Herdamos uma democracia, onde está nossa cidadania?
     Hoje vivemos ou ao menos somos levados a acreditar em um mundo de democracia e liberdade, onde todos supostamente podem exercer sua cidadania, porém mesmo com tantas arestas a serem aparadas este mundo ainda se afirma em um ideal de liberdade política e intelectual, talvez por essa razão muitas pessoas acabem vendo a política e o exercício de sua cidadania como algo irrelevante e de responsabilidade dos “nobres” políticos que elegem. Vamos então tomar como exemplo, ou mera observação critica o mundo de nossos pais e avós ha umas três décadas atrás,  existe uma forma de imaginar qual era a sensação de ser jovem naquela época? E mais, o que pensava um jovem engajado na luta por liberdade e democracia? Imagine você, em plena juventude, porém vivendo em 1968, no inicio dos chamados ‘Anos de Chumbo’ de uma ditadura vigente desde 1964. Em que você estaria pensando? O que é que você faria no dia-a-dia?
     Em 1968 trabalhadores e estudantes se levantaram no mundo inteiro. Em Paris, cidadela do tranquilo capitalismo desenvolvido, os operários fizeram greve geral e os estudantes jogavam pedras na polícia. Nos muros da capital francesa, os grafites e cartazes anunciavam o novo mundo: ‘É proibido proibir’, ‘A imaginação no poder!’, ‘Amor e revolução andam juntos’. Nos EUA, atacava-se o racismo. Tempos de Martin Luther King e de Malcolm X, grandes líderes negros. Os estudantes norte-americanos também sonhavam com um mundo justo e igualitário e milhares deles protestariam contra o absurdo da máquina de guerra Norte Americana agredir o povo do Vietnã. Na América Latina, sonhava-se com guerrilhas libertadoras. Na Tchecoslováquia, aconteceu a Primavera de Praga: os comunistas, liderados por Dubcek, tentaram construir o socialismo humanista. No Brasil, a luta era contra uma ditadura militar e um capitalismo selvagem. Desafiando abertamente o regime, os operários fizeram greve em Contagem, Minas Gerais. Pouco depois, os metalúrgicos de Osasco, São Paulo tendo como um dos lideres nosso Ex-Presidente Luís Inácio Lula da Silva. 
     Agora se imagine diante de tal cenário. Imagine que você é de classe média e está se preparando para o vestibular, porém o governo através da Lei Suplicy, quer impedir que os estudantes se organizem. O acordo MEC-Usaid previa a colaboração dos técnicos americanos na reformulação do ensino brasileiro. Era proposto acabar com as discussões políticas na universidade: estudante deveria apenas ser mão-de-
obra qualificada para atender as multinacionais aqui instaladas. O governo almejava um ensino superior pago, ou seja, a Universidade acabara tornando-se um privilégio da minoria. 
    A demanda de alunos era cada vez maior em contraponto ao pequeno número de vagas cedidas pelas Universidades – aliás, essa era uma das bandeiras do movimento estudantil: alargar o funil que desemboca na universidade – que curso alguém poderia seguir? A maioria desejava ser engenheiro, médico, advogado. Mas alguns optavam por conhecer o Brasil e segundo seus ideais transformá-lo em um país melhor, estes vão estudar sociologia, história, filosofia e até economia. Claro que existem pessoas alienadas, indiferentes ao que acontecia no país. Mas você e seus amigos são conscientizados. As pessoas liam o suficiente para não se sentirem alienadas. Em 1968 alguns autores eram obrigatórios: Leo Huberman, Engels, e ainda autores brasileiros como Nélson Werneck Sodré, Caio Prado Jr, Moniz Bandeira; também se lia o famoso manual marxista de Politzer.  Naquela geração quem não leu, ouviu falar. O que é suficiente para participar de um debate, que é o que mais interessava. Para aqueles de uma elite mais intelectualizada, cabe citar Marcuse, Althusser, Gramsci e Erich Fromm. No corredor da faculdade, discutia-se política. 

Em síntese o que se passava na cabeça dos jovens na época era que a revolução está ali na esquina. Era só pega-la. Tempo também de passeatas convocadas pela UNE. Na faculdade, pintavam as faixas com dizeres de senso comum como “Abaixo a ditadura” e o provocativo “Povo armado derruba a ditadura”. Ir para a passeata já era outro problema. Sua mãe tem medo, seu pai (na época, é claro, lembre-se de que estamos em 68) apoiou o golpe. Melhor ir escondido. Se você é mulher pior, porque tudo é proibido: frequentar boates, beber, chegar em casa tarde da noite, viajar com o namorado e, óbvio, ir à passeatas. Portanto, mais uma que vai escondida alegando que ia ‘ficar na biblioteca estudando’. Tudo isso talvez venha a parecer sensacional ou até mesmo exagerado para a atual geração Brasileira, que goza de uma democracia e liberdade de expressão garantida por uma constituição impressa e livre para trilhar o caminho político, não é? O problema esta ai meus caros, antes o brasileiro não tinha direito a liberdade e lutava por ela, hoje temos uma falsa liberdade e não lutamos por nada, corrupção, altos impostos, violência e desigualdade tudo isso seria um prato cheio para a geração de seus pais e avós saírem a ruas e lutar por melhorias. Mais e nós o que estamos fazendo?
 
Articulista Professor Digo Bian Filo Moreira
95ddb professordigobianfilomoreira - Artigo: Herdamos uma democracia, onde está nossa cidadania?
LEIA TAMBÉM  2008: Invasão brasileira no ORKUT

Damos valor à sua privacidade

Nós e os nossos parceiros armazenamos ou acedemos a informações dos dispositivos, tais como cookies, e processamos dados pessoais, tais como identificadores exclusivos e informações padrão enviadas pelos dispositivos, para as finalidades descritas abaixo. Poderá clicar para consentir o processamento por nossa parte e pela parte dos nossos parceiros para tais finalidades. Em alternativa, poderá clicar para recusar o consentimento, ou aceder a informações mais pormenorizadas e alterar as suas preferências antes de dar consentimento. As suas preferências serão aplicadas apenas a este website.

Cookies estritamente necessários

Estes cookies são necessários para que o website funcione e não podem ser desligados nos nossos sistemas. Normalmente, eles só são configurados em resposta a ações levadas a cabo por si e que correspondem a uma solicitação de serviços, tais como definir as suas preferências de privacidade, iniciar sessão ou preencher formulários. Pode configurar o seu navegador para bloquear ou alertá-lo(a) sobre esses cookies, mas algumas partes do website não funcionarão. Estes cookies não armazenam qualquer informação pessoal identificável.

Cookies de desempenho

Estes cookies permitem-nos contar visitas e fontes de tráfego, para que possamos medir e melhorar o desempenho do nosso website. Eles ajudam-nos a saber quais são as páginas mais e menos populares e a ver como os visitantes se movimentam pelo website. Todas as informações recolhidas por estes cookies são agregadas e, por conseguinte, anónimas. Se não permitir estes cookies, não saberemos quando visitou o nosso site.

Cookies de funcionalidade

Estes cookies permitem que o site forneça uma funcionalidade e personalização melhoradas. Podem ser estabelecidos por nós ou por fornecedores externos cujos serviços adicionámos às nossas páginas. Se não permitir estes cookies algumas destas funcionalidades, ou mesmo todas, podem não atuar corretamente.

Cookies de publicidade

Estes cookies podem ser estabelecidos através do nosso site pelos nossos parceiros de publicidade. Podem ser usados por essas empresas para construir um perfil sobre os seus interesses e mostrar-lhe anúncios relevantes em outros websites. Eles não armazenam diretamente informações pessoais, mas são baseados na identificação exclusiva do seu navegador e dispositivo de internet. Se não permitir estes cookies, terá menos publicidade direcionada.

Visite as nossas páginas de Políticas de privacidade e Termos e condições.

Importante: Este site faz uso de cookies que podem conter informações de rastreamento sobre os visitantes.