Globalizarmos ou defender a identidade: Estudos Culturais uma perspectiva histórica
Opinião

Globalizarmos ou defender a identidade: Estudos Culturais uma perspectiva histórica

globalizacao economica 13
globalizacao economica 13
Globalizarmos ou defender a identidade: Estudos Culturais uma perspectiva histórica: Ao pensarmos que a Globalização ficará muito mais explicita nos próximos anos, e que nossos filhos ficarão muito mais alienados nesse mundo do Capitalismo pós-moderno; sentiremos no dever de defender nossa nacionalidade, nossas culturas. Cultura essa que nos propõe o modo de viver, agir e pensar. Toda esta expressão de mercado que circulam livremente em nosso dia a dia, nos faz acreditar que o monopólio, as grande corporações mundiais decidam nossas formações futuras, nossos direitos de cidadãos e moradores de um único ciclo chamado planeta terra.
Como no livro “Globalizarnos o defender la identidad: cómo salir de esta opción” segue a circunstância do exodo do campo para as cidades, e cidades para as metrópoles, esse câmbio de autonomia já é fruto da mais pura Globalização e que esses principios do capital em estar sempre melhorando, obriga-se a ter um conceito mais lógico e até mesmo desumano; Globalizar-nos sem cultura ou morrer de fome com cultura?
O grande momento das multinacionais se consolidou mesmo no século XX, onde com a entrada de grandes corporações, ampliou e muito países de terceiro mundo com isso o avanço da economia brasileira. Para combater toso essa mistura de culturas, observou-se um melhor caminho a procura de blocos para uma consolidação mais digamos “aparentavel” como o caso do MERCOSUL na américa latina. O MERCOSUL é a união da força “David”, contra grandes “Golias” (América do Sul x EUA).
Muito dessas multinacionais ampliam seus mercados como Tratores na hora da colheita, passam por cima de tudo e de todos, até mesmo nos próprios bens naturais. Se nos basearmos, que a primeira potência mundial os Estados Unidos da América, que atinge 40% dos bens da energ ia de consumo do planeta (Gás, Aguá, Lixo, Borracha, Arvore, Chumbo, Ar, entre outros…há e claro o famoso “oil” – Petróleo), que motiva guerra, para seus próprios bens de consumo (Hugo Chavez deve agradecer todo dia pelo petróleo existir em bastante quantidade na Venezuela, pois assim a necessidade dos EUA pela Venezuela é imensa. E claro pedir a nacionalização do petróleo, que almeja tanto).

Perspectivas culturais 

e5975 globaliza25c3258725c32583o 01 1 - Globalizarmos ou defender a identidade: Estudos Culturais uma perspectiva histórica
Por que a cultura brasileira é menos popular do que a cultura norte-americana? quero dizer estados unidenses (os Canadenses, os Mexicanos também são norte-americanos). Por que a Globalização de mercados de música, TV, comidas é assustador. Quem já não pelo menos ouviu falar em CNN, MTV, Sony, Nike, Monsanto, American Air Lines, Mc’Donald, Microsoft, todas essas corporações americanas constróem o mundo de hoje. Se dizermos de como o Brasil é Globalizador, bem a grande influência brasileira é através da música, do futebol. E o que o país das bananas tem de uma grande corporação? …Hhmm?? bem…?? Não é a toa que os jogadores brasileiros estão indo cada vez mais embora do Brasil, lá um patrocinio é surpreendente com grande monopolitas. Grande a cultura dos EUA, que eles não estudam a Geografia dos EUA, muito menos mundial, eles estudam a Geografia de seu respctivo Estado. Grande é a alienação estado unidense; se alguem perguntar a um estado unidense desconhecido: “Where are you from?” Com certeza absoluta ele não vai te responder United States, e sim “Coloroado”, “New York”, “North Karoline”, “Las Vegas”, “California”, “Texas” e em resposta: “And you?” Obviamente responde-se Brazil, ou até Rio de Janeiro. Agora se responder Paraiba, Sergipe, Paraná obviamente ela não vai entender nada. Uma vez o presidente FHC ao visitar o tão cr ietrioso presidente Bush. Bush lhe perguntou com entonação de curioso: “Are there many black people in Brazil?” Ele deve Ter assistido alguma novela Global ou sei lá o que.
Se ainda citarmos que o Comunismo de comércio aberto da China, cresce de maneira assustadora com estimativa de crescimento de 11% ao ano, e que em 30 anos a China poderá ser a 1ª economia mundial. Quem duvida que daqui à alguns anos o mundo não estará imitando os chineses, falando até palavras e gírias em Chinês,”Hai-ninchinchan meu irmão”. E querendo aprender artes-marciais?
A grande sacada dessa globalização é a necessidade da informação, e do capital do exterior, pois todos reclamamos do capitalismo, mas todos tenhamos a usar a Internet e o Celular e ter um carro importado. Todos são alienados e devem sim ter um livre-arbitrio, mas não devemos esquecer, e ampliar a nossa cultura, a nossa “identidad”.
 
 
Por Leandro Soares de Medeiros, Jornalista
LEIA TAMBÉM  Anuncie no Midia Interessante.com

2 Comentários

Damos valor à sua privacidade

Nós e os nossos parceiros armazenamos ou acedemos a informações dos dispositivos, tais como cookies, e processamos dados pessoais, tais como identificadores exclusivos e informações padrão enviadas pelos dispositivos, para as finalidades descritas abaixo. Poderá clicar para consentir o processamento por nossa parte e pela parte dos nossos parceiros para tais finalidades. Em alternativa, poderá clicar para recusar o consentimento, ou aceder a informações mais pormenorizadas e alterar as suas preferências antes de dar consentimento. As suas preferências serão aplicadas apenas a este website.

Cookies estritamente necessários

Estes cookies são necessários para que o website funcione e não podem ser desligados nos nossos sistemas. Normalmente, eles só são configurados em resposta a ações levadas a cabo por si e que correspondem a uma solicitação de serviços, tais como definir as suas preferências de privacidade, iniciar sessão ou preencher formulários. Pode configurar o seu navegador para bloquear ou alertá-lo(a) sobre esses cookies, mas algumas partes do website não funcionarão. Estes cookies não armazenam qualquer informação pessoal identificável.

Cookies de desempenho

Estes cookies permitem-nos contar visitas e fontes de tráfego, para que possamos medir e melhorar o desempenho do nosso website. Eles ajudam-nos a saber quais são as páginas mais e menos populares e a ver como os visitantes se movimentam pelo website. Todas as informações recolhidas por estes cookies são agregadas e, por conseguinte, anónimas. Se não permitir estes cookies, não saberemos quando visitou o nosso site.

Cookies de funcionalidade

Estes cookies permitem que o site forneça uma funcionalidade e personalização melhoradas. Podem ser estabelecidos por nós ou por fornecedores externos cujos serviços adicionámos às nossas páginas. Se não permitir estes cookies algumas destas funcionalidades, ou mesmo todas, podem não atuar corretamente.

Cookies de publicidade

Estes cookies podem ser estabelecidos através do nosso site pelos nossos parceiros de publicidade. Podem ser usados por essas empresas para construir um perfil sobre os seus interesses e mostrar-lhe anúncios relevantes em outros websites. Eles não armazenam diretamente informações pessoais, mas são baseados na identificação exclusiva do seu navegador e dispositivo de internet. Se não permitir estes cookies, terá menos publicidade direcionada.

Visite as nossas páginas de Políticas de privacidade e Termos e condições.

Importante: Este site faz uso de cookies que podem conter informações de rastreamento sobre os visitantes.